O e-commerce de luxo está chegando ao seu tipping point?

Pensamos que sim, e as vendas online de produtos de luxo podem triplicar em 2025.

Como o e-commerce de luxo poderá se desenvolver ao longo dos próximos cinco a dez anos? Como parte do Observatório Altagamma-McKinsey de Experiências Digitais de Luxo de 20151 , analisamos as trajetórias das vendas online de mais de 50 marcas de luxo ao longo da última década. O que descobrimos é que a trajetória de vendas desse mercado se assemelha a uma curva em S, que pode ser desmembrada em três fases:

We strive to provide individuals with disabilities equal access to our website. If you would like information about this content we will be happy to work with you. Please email us at: McKinsey_Website_Accessibility@mckinsey.com

Largada. Empresas de produtos de luxo começam a investigar as vendas online, seja por meio de parceiros com plataformas para preço integral, descontos ou eventos, seja por meio de uma loja própria online. Nesse estágio, elas tendem a oferecer apenas uma gama reduzida de produtos e não chegam a anunciá-los muito.

Ascensão. Quando começam a obter uma receita considerável do e commerce – em torno de 6% a 7% do total das vendas–,as empresas do setor de luxo atingem um ponto de inflexão, a partir do qual rapidamente ampliam suas operações de e commerce e lançam lojas online com a linha completa de produtos. Muitas delas encontram-se hoje nessa fase: oferecem a maioria de seus produtos online, atualizaram seus sites e aumentaram sua visibilidade online e off-line. O e commerce torna-se então uma prioridade da alta gerência devido aos grandes investimentos necessários em TI, suporte ao cliente e cadeia de abastecimento (p.ex., em armazenagem) e porque nos próximos cinco anos o comércio eletrônico impulsionará as vendas online para 18% a 20% do faturamento total.

Platô. Depois de passar o limiar de 20%, o crescimento das vendas online tende a desacelerar, pois as operações de e commerce da marca atingiram a maturidade.

Levando-se em conta a experiência do setor e nosso amplo conhecimento de outros setores já mais maduros em seu desenvolvimento digital (p.ex., moda prêt-à-porter e eletroeletrônicos), prevemos que o mercado global de e commerce de luxo seguirá uma trajetória similar à de marcas individuais. Esperamos que a fatia dos produtos de luxo vendidos online dobrará de 6% para 12% até 2020. Em 2025, esperamos que as vendas online representem 18% do total, atingindo US$ 70 bilhões por ano – o que tornará o e commerce o terceiro maior mercado de produtos de luxo do mundo, depois da China e dos Estados Unidos.

Este artigo foi extraído da edição de julho de 2015 do Altagamma-McKinsey Digital Luxury Experience Observatory, Digital inside: Get wired for the ultimate luxury experience (PDF–1,262KB).

Sobre o(s) autor(es)

Marco Catena é sócio da McKinsey no escritório de Milão; Nathalie Remy é sócia no escritório de Paris, onde Benjamin Durand-Servoingt é consultor.