Como reverter as ameaças ao crescimento da América Latina

É urgente que a região remova os obstáculos para a competitividade, digitalize processos, melhores suas habilidades e os fundamentos de sua economia.

As economias da América Latina registraram uma média de crescimento anual do PIB de 3% nos últimos 15 anos, marca muito inferior à de outras regiões em desenvolvimento. Além disso, quase 80% do crescimento do PIB da América Latina nesse período foram provenientes do aumento da população, e não da produtividade (quadro). Entre 2000 e 2015, a produtividade em toda a região avançou apenas 0,6%, um dos piores resultados de todas as regiões do mundo. Sem maior produtividade, o crescimento fica fatalmente ameaçado por três forças de disrupção que atuam ao mesmo tempo.

We strive to provide individuals with disabilities equal access to our website. If you would like information about this content we will be happy to work with you. Please email us at: McKinsey_Website_Accessibility@mckinsey.com

A primeira força de disrupção é a queda da taxa de fertilidade da América Latina nos últimos 15 anos, passando de quase 2,7 para uma média de 2,1 filhos por mulher. Entre 2015 e 2030, prevê-se que a taxa de aumento do emprego cairá a menos da metade, recuando para apenas 1,1% ao ano. Isso implica, considerando-se estável o crescimento da produtividade, que o aumento do PIB na América Latina será 40% menor nos próximos 15anos do que foi nos 15 anteriores.

A segunda força é o fim do superciclo de commodities, que vinha alimentando o crescimento do PIB, sobretudo na região andina. A América Latina continuará a beneficiar-se de seus abundantes recursos naturais, porém o contexto atual exige uma mudança para maior eficiência na produção e no uso desses recursos.

A terceira força de ruptura é o risco do crescente protecionismo após uma década de redução das barreiras comerciais. Causa particular preocupação o protecionismo nos Estados Unidos, país que é o destino de 45% das exportações latino-americanas.

Para combater essa ameaça ao crescimento, identificamos quatro grandes prioridades:

  • A região precisa ampliar suas atividades de alto valor agregado em todas as principais cadeias de valor, eliminando obstáculos à competitividade. Atualmente, os setores mais produtivos da América Latina (em relação aos mesmos setores dos Estados Unidos) representam menos de um quinto do total do emprego na região. Em média, os trabalhadores latino-americanos produzem 25% do que produzem os trabalhadores dos EUA.
  • As economias da América Latina precisam entrar de cabeça no atual movimento de digitalização e automatização. No entanto, de acordo com o Banco Mundial, a região investe apenas cerca de 0,8% do PIB em atividades de P&D, em comparação com uma média de aproximadamente 2,4% dos países que integram a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico, e 1,8% da China. Cerca de metade dos postos de trabalho em tempo integral na América Latina poderiam ser automatizados – o que poderia abranger mais de 76,4 milhões de trabalhadores em tempo integral. A produtividade aumentaria, porém, seria preciso tomar medidas para ajudar a capacitar os trabalhadores em sua transição para novos tipos de empregos.
  • Para abordar os desafios criados pela pressão sobre o contingente de mão de obra, os países da região precisam melhorar as habilidades investindo em educação e treinamento, e precisam adequar melhor essas habilidades com as necessidades das empresas. Segundo uma pesquisa da McKinsey, entre 40 e 50% dos empregadores latino-americanos citaram a falta de capacitação como principal motivo da existência de vagas do nível de entrada não preenchidas. A entrada de mais mulheres no mercado de trabalho ajudaria a atenuar a pressão nos contingentes de trabalhadores e impulsionar o crescimento do PIB. Se todos os países da América Latina se igualassem ao país de melhor desempenho da região em termos do avanço na paridade de gêneros – e uma parte enorme desse avanço seria aumentar a participação das mulheres na força de trabalho – seria possível gerar um incremento adicional de US$1,1 trilhão do PIB até 2025, 14% a mais do que pode ser alcançado com as taxas atuais.
  • Finalmente, uma estratégia de crescimento inclusiva e sustentável exige o fortalecimento dos fundamentos macroeconômicos, bem como o investimento no capital e infraestrutura que possibilitam o aumento da produtividade e a competitividade.

Governos, empresas, pessoas – todos precisam contribuir para converter esse expressivo potencial em impacto real. Os desafios da América Latina não são poucos e, muitas vezes, são bastante complexos, mas uma liderança ampla e harmonizada por parte da sociedade pode definir uma nova agenda que permitirá à América Latina atravessar a tempestade demográfica, transformar a produtividade e impulsionar o crescimento no longo prazo.

Faça o download do discussion paper que serviu de base a este artigo, De onde virá o crescimento da América Latina?, (PDF–518KB) preparado para a reunião de 5-7 de abril de 2017 do Fórum Econômico Mundial, realizado em Buenos Aires.

Sobre o(s) autor(es)

Andres Cadena é sócio sênior do escritório de Bogotá da McKinsey, Jaana Remes é sócia do McKinsey Global Institute no escritório de São Francisco, Nicolas Grosman é fellow do McKinsey Global Institute para a América Latina e Andre de Oliveira é especialista do escritório da Costa Rica.

Related Articles